Banner1

domingo, 22 de fevereiro de 2015

PARTICIPE!!!


Leia Mais ►

ENCONTRO DE ANIMADORES VOCACIONAIS

Ontem dia 21 e hoje dia 22, tivemos o Encontro com os Animadores Vocacionais, promovido pela Secretaria de Formação Inicial, para avaliar o andamento da pastoral vocacional e planejar as ações ao longo deste ano de 2015. O encontro foi coordenado pelos freis Jociel Gomes (Conselheiro da Formação Inicial) e Frei Tiago Santos (animador vocacional provincial) e teve lugar no Convento São Félix, em Recife.


Leia Mais ►

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Frei Francisco Barreto confere os Ministérios de Leitor e Acólito a Frei José Roberto de Holanda Júnior

No dia 19, p.p., as 7h, no Convento Nossa Senhora da Penha, em Recife-PE, aconteceu a celebração eucarística, onde o ministro provincial, Frei Francisco Barreto conferiu as ordens menores de acólito e leitor ao Frei José Roberto de Holanda Júnior. Estavam presentes além dos frades da Fraternidade a família do Frei José Roberto. Após a celebração, houve um delicioso café da manhã. Confira alguns registros desse bonito momento.

Participantes da Celebração

Fr. Janailson (Diácono), Fr. Francisco Barreto e Fr. Diniz Ferreira

Fr. Janailson Gomes (Diácono)

Conferência dos Ministérios

Ministério de Leitor

Ministério de Acólito

Preparação do altar

Elevação do Pão

Elevação do Cálice

Os pais e irmão de Fr. Roberto

Final da Celebração



Leia Mais ►

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Campanha da Fraternidade 2015

Por ocasião da abertura da Campanha da Fraternidade 2015, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), nesta Quarta-feira de Cinzas, 18, o papa Francisco enviou mensagem, na qual destaca que o tempo quaresmal é propício para a vivência dos sentimentos de fraternidade e cooperação.
No texto, o papa Francisco fala da importância da contribuição da Igreja no respeito à laicidade do Estado, sem esquecer a autonomia das realidades terrenas, conforme motiva a Doutrina Social, em vista do bem do ser humano. "Cada um deve fazer a sua parte, começando pela minha casa, no meu trabalho, junto das pessoas com que me relaciono. E de modo concreto, é preciso ajudar aqueles que são mais pobres e necessitados", disse Francisco.
Ao final da mensagem, o papa cita, ainda, o lema da CF 2015, "Eu vim para servir", recordando as palavras de Jesus. "Queridos irmãos e irmãs, quando Jesus nos diz 'Eu vim para servir', no ensina aquilo que resume a identidade do cristão: amar servindo. Por isso, faço votos que o caminho quaresmal deste ano, à luz das propostas da Campanha da Fraternidade, predisponha os corações para a vida nova que Cristo nos oferece, e que a força transformadora que brota da sua Ressurreição alcance a todos em sua dimensão pessoal, familiar, social e cultural e fortaleça em cada coração sentimentos de fraternidade e de viva cooperação. A todos e a cada um, pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida, envio de todo coração a Bênção Apostólica, pedindo que nunca deixem de rezar por mim", disse.
  Fonte: http://www.cnbb.org.br/
Leia Mais ►

Tempo da Quaresma!

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA A QUARESMA DE 2015 - « Fortalecei os vossos corações» (Tg 5,8)
Amados irmãos e irmãs!
Tempo de renovação para a Igreja, para as comunidades e para cada um dos fiéis, a Quaresma é  sobretudo um « tempo favorável » de graça (cf. 2  Cor6,2). Deus nada nos pede, que antes não no-lo  tenha dado: « Nós amamos, porque Ele nos amou  primeiro »  (1 Jo4,19). Ele não nos olha com indiferença; pelo contrário, tem a peito cada um de nós,  conhece-nos pelo nome, cuida de nós e vai à nossa  procura, quando O deixamos. Interessa-Se por cada  um de nós; o seu amor impede-Lhe de ficar indiferente perante aquilo que nos acontece. Coisa diversa se passa connosco! Quando estamos bem e comodamente instalados, esquecemo-nos certamente  dos outros (isto, Deus Pai nunca o faz!), não nos  interessam os seus problemas, nem as tribulações  e injustiças que sofrem; e, assim, o nosso coração  cai na indiferença: encontrando-me relativamente  bem e confortável, esqueço-me dos que não estão  bem! Hoje, esta atitude egoísta de indiferença atingiu uma dimensão mundial tal que podemos falar de uma globalização da indiferença. Trata-se de um  mal-estar que temos obrigação, como cristãos, de  enfrentar.
Quando o povo de Deus se converte ao seu  amor, encontra resposta para as questões que a história continuamente nos coloca. E um dos desafios  mais urgentes, sobre o qual me quero deter nesta  Mensagem, é o da globalização da indiferença. Dado que a indiferença para com o próximo e  para com Deus é uma tentação real também para  nós, cristãos, temos necessidade de ouvir, em cada  Quaresma, o brado dos profetas que levantam a voz  para nos despertar. A  Deus  não  Lhe  é  indiferente  o  mundo,  mas  ama-o  até  ao  ponto  de  entregar  o  seu  Filho  pela  salvação de todo o homem. Na encarnação, na vida  terrena, na morte e ressurreição do Filho de Deus,  abre-se definitivamente a porta entre Deus e o homem, entre o Céu e a terra. E a Igreja é como a mão  que mantém aberta esta porta, por meio da proclamação da Palavra, da celebração dos Sacramentos,  do testemunho da fé que se torna eficaz pelo amor  (cf. Gl 5,6).  O  mundo,  porém,  tende  a  fechar-se  em si mesmo e a fechar a referida porta através da  qual Deus entra no mundo e o mundo n’Ele. Sendo  assim, a mão, que é a Igreja, não deve jamais surpreender-se, se se vir rejeitada, esmagada e ferida. Por isso, o povo de Deus tem necessidade de  renovação, para não cair na indiferença nem se fechar em si mesmo. Tendo em vista esta renovação,  gostaria de vos propor três textos para a vossa meditação.
1. « Se um membro sofre, com ele sofrem todos os  membros » (1 Cor 12,26) – A Igreja. 
Com o seu ensinamento e sobretudo com o seu  testemunho, a Igreja oferece-nos o amor de Deus,  que rompe esta reclusão mortal em nós mesmos que  é a indiferença. Mas, só se pode testemunhar algo  que antes experimentámos. O cristão é aquele que  permite a Deus revesti-lo da sua bondade e misericórdia, revesti-lo de Cristo para se tornar, como Ele,  servo de Deus e dos homens. Bem no-lo recorda a liturgia de Quinta-feira Santa com o rito do lava-pés. Pedro não queria que Jesus lhe lavasse os pés, mas depois compreendeu que Jesus não pretendia apenas  exemplificar  como  devemos  lavar  os  pés  uns aos outros; este serviço, só o pode fazer quem,  primeiro, se deixou lavar os pés por Cristo. Só essa  pessoa « tem parte com Ele » (cf. Jo 13,8), podendo  assim servir o homem. A Quaresma é um tempo propício para nos deixarmos servir por Cristo e, deste modo, tornarmo-nos  como  Ele.  Verifica-se  isto  quando  ouvimos  a Palavra de Deus e recebemos os sacramentos,  nomeadamente a Eucaristia. Nesta, tornamo-nos naquilo que recebemos: o corpo de Cristo. Neste corpo, não encontra lugar a tal indiferença que,  com tanta frequência, parece apoderar-se dos nossos corações; porque, quem é de Cristo, pertence  a um único corpo e, n’Ele, um não olha com indiferença o outro. « Assim, se um membro sofre,  com ele sofrem todos os membros; se um membro  é  honrado,  todos  os  membros  participam  da  sua  alegria » (1 Cor12,26). A Igreja é communio sanctorum, não só porque,  nela, tomam parte os Santos mas também porque é  comunhão de coisas santas: o amor de Deus, que  nos foi revelado em Cristo, e todos os seus dons;  e, entre estes, há que incluir também a resposta de  quantos se deixam alcançar por tal amor. Nesta comunhão dos Santos e nesta participação nas coisas  santas, aquilo que cada um possui, não o reserva  só para si, mas tudo é para todos. E, dado que estamos interligados em Deus, podemos fazer algo  mesmo pelos que estão longe, por aqueles que não  poderíamos jamais, com as nossas simples forças,  alcançar: rezamos com eles e por eles a Deus, para  que todos nos abramos à sua obra de salvação.
2. « Onde está o teu irmão? »  (Gn 4,9)– As paróquias e as comunidades.
Tudo o que se disse a propósito da Igreja universal  é  necessário  agora  traduzi-lo  na  vida  das  paróquias e comunidades. Nestas realidades eclesiais, consegue-se porventura experimentar que  fazemos parte de um único corpo? Um corpo que,  simultaneamente, recebe e partilha aquilo que  Deus nos quer dar? Um corpo que conhece e cuida dos seus membros mais frágeis, pobres e pequeninos? Ou refugiamo-nos num amor universal  pronto a comprometer-se lá longe no mundo, mas  que esquece o Lázaro sentado à sua porta fechada (cf. Lc16,19-31)? Para receber e fazer frutificar plenamente aquilo que Deus nos dá, deve-se ultrapassar as fronteiras da Igreja visível em duas direcções. Em primeiro lugar, unindo-nos à Igreja do Céu  na oração. Quando a Igreja terrena reza, instaura--se reciprocamente uma comunhão de serviços e  bens que chega até à presença de Deus. Juntamente  com os Santos, que encontraram a sua plenitude em  Deus, fazemos parte daquela comunhão onde a indiferença é vencida pelo amor. A Igreja do Céu não  é triunfante, porque deixou para trás as tribulações  do mundo e usufrui sozinha do gozo eterno; antes  pelo contrário, pois aos Santos é concedido já contemplar e rejubilar com o facto de terem vencido  definitivamente a indiferença, a dureza de coração  e  o  ódio,  graças  à  morte  e  ressurreição  de  Jesus.  E, enquanto esta vitória do amor não impregnar  todo o mundo, os Santos caminham connosco, que  ainda somos peregrinos. Convicta de que a alegria  no Céu pela vitória do amor crucificado não é plena  enquanto houver, na terra, um só homem que sofre e  geme, escrevia Santa Teresa de Lisieux, doutora da  Igreja:  « Muito  espero  não  ficar  inactiva  no  Céu;  o meu desejo é continuar a trabalhar pela Igreja e pelas  almas »  (Carta 254, de 14 de Julho de 1897). Também nós participamos dos méritos e da alegria dos Santos e eles tomam parte na nossa luta e no  nosso desejo de paz e reconciliação. Para nós, a sua  alegria pela vitória de Cristo ressuscitado é origem de  força para superar tantas formas de indiferença e dureza de coração.
Em  segundo  lugar,  cada  comunidade  cristã  é  chamada a atravessar o limiar que a põe em relação  com a sociedade circundante, com os pobres e com os  incrédulos. A Igreja é, por sua natureza, missionária,  não fechada em si mesma, mas enviada a todos os  homens. Esta  missão  é  o  paciente  testemunho  d’Aquele  que quer conduzir ao Pai toda a realidade e todo o homem. A missão é aquilo que o amor não pode calar. A  Igreja segue Jesus Cristo pela estrada que a conduz a  cada homem, até aos confins da terra (cf.Act1,8). Assim podemos ver, no nosso próximo, o irmão e a irmã  pelos quais Cristo morreu e ressuscitou. Tudo aquilo  que recebemos, recebemo-lo também para eles. E, vice-versa, tudo o que estes irmãos possuem é um dom  para a Igreja e para a humanidade inteira.
Amados irmãos e irmãs, como desejo que os  lugares onde a Igreja se manifesta, particularmente as nossas paróquias e as nossas comunidades, se  tornem ilhas de misericórdia no meio do mar da indiferença!
3. « Fortalecei os vossos corações »  (Tg 5,8)– Cada um dos fiéis.
Também como indivíduos temos a tentação da  indiferença. Estamos saturados de notícias e imagens impressionantes que nos relatam o sofrimento  humano, sentindo ao mesmo tempo toda a nossa  incapacidade de intervir. Que fazer para não nos  deixarmos absorver por esta espiral de terror e impotência? Em primeiro lugar, podemos rezar na comunhão da Igreja terrena e celeste. Não subestimemos  a força da oração de muitos! A iniciativa 24 horas para o Senhor, que espero se celebre em toda  a Igreja – mesmo a nível diocesano – nos dias 13 e  14 de Março, pretende dar expressão a esta necessidade da oração. Em segundo lugar, podemos levar ajuda, com  gestos de caridade, tanto a quem vive próximo de  nós como a quem está longe, graças aos inúmeros  organismos caritativos da Igreja. A Quaresma é um tempo propício para mostrar este interesse pelo  outro, através de um sinal – mesmo pequeno, mas  concreto – da nossa participação na humanidade  que temos em comum.  E, em terceiro lugar, o sofrimento do próximo  constitui um apelo à conversão, porque a necessidade do irmão recorda-me a fragilidade da minha  vida, a minha dependência de Deus e dos irmãos.
Se humildemente pedirmos a graça de Deus e aceitarmos os limites das nossas possibilidades, então  confiaremos  nas  possibilidades  infinitas  que  tem  de reserva o amor de Deus. E poderemos resistir à  tentação diabólica que nos leva a crer que podemos  salvar-nos e salvar o mundo sozinhos. Para superar a indiferença e as nossas pretensões de omnipotência, gostaria de pedir a todos  para viverem este tempo de Quaresma como um  percurso de formação do coração, a que nos convidava Bento XVI (Carta enc. Deus caritas est, 31).  Ter  um  coração  misericordioso  não  significa  ter  um  coração  débil.  Quem  quer  ser  misericordioso  precisa de um coração forte, firme, fechado ao tentador mas aberto a Deus; um coração que se deixe  impregnar pelo Espírito e levar pelos caminhos do  amor que conduzem aos irmãos e irmãs; no fundo,  um coração pobre, isto é, que conhece as suas limitações e se gasta pelo outro. Por isso, amados irmãos e irmãs, nesta Quaresma desejo rezar convosco a Cristo: « Fac cor nostrum secundum cor tuum – Fazei o nosso coração  semelhante ao vosso » (Súplica das Ladainhas ao  Sagrado Coração de Jesus). Teremos assim um coração forte e misericordioso, vigilante e generoso,  que não se deixa fechar em si mesmo nem cai na  vertigem da globalização da indiferença.
Com estes votos, asseguro a minha oração por  cada crente e comunidade eclesial para que percorram, frutuosamente, o itinerário quaresmal,  enquanto, por minha vez, vos peço que  rezeis por  mim. Que o Senhor vos abençoe e Nossa Senhora  vos guarde!
Vaticano, Festa de São Francisco de Assis, 4 de  Outubro de 2014.
Fonte: http://pt.radiovaticana.va/
Leia Mais ►

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

ADMISSÃO AO 1º ANO DE POSTULADO - NATAL-RN

No último domingo dia 08 de fevereiro, as 10h, na celebração eucarística da Igreja do galo, Convento Santo Antonio, em Natal-RN, foram admitidos ao primeiro ano de postulado onze jovens dos estados de Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte. A saber: Cayke Hermeson do nascimento Silva (São José do Egito-PE); Diego Santos de Lima (São bento do Una-PE); Fábio Rodrigo dos Santos Hipólito (Maceió-AL); Ícaro Godoí Soares (Bom Conselho-PE; Jairon Celedino da Silva (São Caetano-PE); José Carlos Alves (Parelhas-RN); José iranildo Oliveira de Souza (Paulo Jacinto-AL); Kleydon Ancheswelton Freitas de brito e Silva (Natal-RN); Pedro Vitor Rodrigues Estima (Flores-PE); Rafael Pereira Florencio (Natal-RN); Ylamark Francisco dos Santos (Palmares-PE). A celebração foi presidida pelo frei Jociel Gomes, conselheiro da formação inicial e concelebrada pelo guardião do convento, frei João da Paz, pelo formador, frei Carlos Alexandre, pelo secretário provincial, frei Igor Campos e pelo ministro provincial da Província São Francisco das Chagas (CE/PI), frei Henrique Araújo. Após a homilia o frei Jociel Gomes, delegado do Ministro Provincial da PRONEB, acolheu os postulantes e os admitiu para esta experiencia em nossa circunscrição. Aos postulantes nossas boas vindas e votos de uma feliz caminhada.

Postulantes 2015 (1º ano)

Celebração Eucarística

Ylamark Francisco


Kleydon Ancheswelton

Postulantes


Postulantes

Frei Carlos


Bênção dos Taus

Entrega dos Taus

Apresentação dos Postulantes

Final da celebração

Postulantes e Formador

Frei Carlos, Frei Igor e Postulantes

  
Leia Mais ►

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

ABERTURA DO POSTULANTADO II Interprovincial



Neste domingo, dia 1º de fevereiro, foram admitidos, ao segundo ano de postulantado interprovincial, 14 jovens advindos das três províncias capuchinhas:

Nossa Senhora da Penha do Nordeste do Brasil (PRONEB)
Anderson da Silva Sobral
José Carlos de Andrade
Maurício Soares de Souza
Renato Marques de Oliveira 

Nossa Senhora da Piedade (PROBASE)
Leandro da Silva Pereira

São Francisco das Chagas (PROCEPI)
Altenório Lopes Souza Filho
Derik Luiz Ferreira dos Santos
Eduardo Janderson da Cunha Meneses
Fabricio Alcântara de Arruda
Francisco Lima da Silva
José Adalto Jeronimo Filho
José Gleyson Silva Carlos
Marcelo Ismael Martins
Mário Jorge Costa de Lima 

Estavam presentes os três ministros provinciais e diversos confrades. A casa de postulantado interprovincial continua sendo o Convento Nossa Senhora do Rosário de Pompeia, em Esplanada-BA.



Da esquerda para a direita: José Carlos, Anderson Sobral, Renato Marques e Maurício Soares (Postulantes II da PRONEB)
Postulantes da PRONEB com seu ministro provincial, Fr. Francisco Barreto.
Postulantes com Fr. José Soares (PRONEB)
Leia Mais ►

domingo, 1 de fevereiro de 2015

CONSELHEIRO GERAL NOMEADO BISPO

O Santo Padre Francisco nomeou no dia 29 de janeiro, bispo da diocese de Lolo, nosso confrade Jean-Bertin Nadonye Ndongo, Conselheiro geral, sucedendo Dom Ferdinand Maemba Liwoke que apresentou renúncia conforme o cân. 401 § 1 do Código de Direito Canônico.
Frei Jean-Bertin nasceu aos 24 de março de 1965 em Botuzu, na Província de Equateur, diocese de Molegbe. Após os estudos primários em Bozene(1971-1978) frequentou a escola secundária em Bongisa/Bwamanda (1978-1984). Estudou Filosofia no Convento Saint Laurent em Bwamanda (1985-1988) e Teologia no Instituto Saint Eugène de Mazenod, em Kitambo (1989-1993). Conseguiu depois a Licenciatura em Teologia na Universidade Católica de Kinshasa(1994-1996). Possui ainda diploma em Ensino Secundário, grau superior. Emitiu a primeira profissão religiosa aos 17 de setembro de 1989 e a perpétua aos 17 de setembro de 1992. Foi ordenado sacerdote aos 02 de agosto de 1993.
Após a ordenação sacerdotal exerceu os seguintes encargos: 1993-1995:vigário paroquial de Ste. Elisabeth em Gemena, diocese de Molegbe; 1995-1996: Vice-reitor do Filosofado dos Capuchinhos de Kinhasa; 1996-1997: mestre de noviços e docente do Instituto de Ciências Religiosas de Bwamanda; 1997-1998: Conselheiro da Vice-província geral do Congo; 1998-2001: Pároco de Sacré Coeur de Jésus, em Bwamanda e membro do Conselho da diocese de Molegbe; 2001-2005: formador e reitor da Maison d'Études em Kinshasa; Vice-coordenador da Família Franciscana de Kinshasa; membro da comissão de revisão das Constituições e Estatutos gerais(2003); 2005-2009: Ministro Vice-provincial da VP do Congo e presidente da Conferência dos Capchinhos da África Central e Ocidental (CONCAO); 2009-2001: presidente do Conselho de Administração do Instituto Saint Augustin de Kinshasa; 2011-2012: Presidente da ASUMA(Assemblée des Supérieurs majeurs).
Desde 2012 é Conselheiro geral dos Frades Menores Capuchinhos em Roma.
Leia Mais ►

ENCONTRO VOCACIONAL REGIONAL

De 30 de janeiro a 01 de fevereiro do ano em curso, aconteceu no Convento Coração Eucarístico, em Caruaru-PE, mais um Encontro Regional, com vocacionados de Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Rio Grande do Norte, que já concluíram ou estão cursando o Ensino Médio ou curso universitário. O encontro contou com a assessoria da psicóloga Dra. Jô, da Ir. Priscila (Franciscana de N. Sra. do Bom Conselho) e o Conselheiro da Formação Inicial, frei Jociel Gomes. A coordenação ficou por conta de frei Tiago Santos (animador vocacional provincial), que contou com a colaboração dos freis Ademir Lima e Fabiano de Castro.

Leia Mais ►

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

COLAÇÃO DE GRAU

No último dia 27, aconteceu a colação de grau em Filosofia de Frei Fábio Domingos de Melo, pós-noviço. A cerimônia se deu no Teatro Guararapes, em Recife-PE.

Leia Mais ►

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

FESTAS DE FREI DAMIÃO 2015


A partir deste ano, uma comissão organizará as Festas de Frei Damião na Província, começando por Recife, Caruaru e Guarabira. Os freis Jociel Gomes, Franklin Diniz, Antônio Lopes e Francisco Barreto coordenarão as ditas festas. 

Datas das festas:

03 de maio - CARUARU-PE
Participação: Padre João Carlos e Banda

17 de maio - GUARABIRA-PB
Participação: Joanna (interpretando Padre Zezinho) 
                      Celione e filhos de Davi

28 a 31 de maio - RECIFE-PE
Participação: Zé Vicente, Dudu do Acordeon e outros
Presença do Postulador Geral dos Capuchinhos, Frei Carlo Calloni



Leia Mais ►

Igreja abrirá processo de Chiara Lubich


chiara-lubichNo dia 27 de janeiro, às 16h, na Catedral de Frascati (Roma), o bispo dom Martinelli, dará início à causa de beatificação de Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares. O evento é aguardado por milhares de fiéis de todo o mundo e é o primeiro passo dos trâmites que podem levar ‘Chiara’ – como é conhecida a iniciadora do caminho eclesiástico – até os altares.
A escolha de Frascati, como informa uma nota do Movimento, ressalta “a eclesialidade do ato” no território onde está localizado o Centro internacional dos Focolares. Neste local,  Chiara Lubich viveu grande parte de sua vida; foi onde faleceu, em 14 de março de 2008, e onde se encontram seus restos mortais.
A cerimônia, que poderá ser vista ao vivo pelo site do Movimento, começará com as Vésperas e terá a leitura do decreto de introdução da Causa e do ‘nula osta’ da Santa Sé. Além da instituição do tribunal nomeado pelo Bispo, os juramentos do Bispo, dos membros do tribunal e da postulação.
Fama de santidade
Maria Voce, Presidente do Movimento dos Focolares e primeira sucessora de ‘Chiara’, afirma que “o seu testemunho continua a atrair pessoas de todas as proveniências geográficas e sociais.
“Nos 6 anos passados desde a sua morte,  nos lugares aonde viveu e hoje descansa, passaram mais de 120 mil visitantes de diferentes continentes e tradições religiosas, Cardeais, Bispos, acadêmicos, políticos, famílias e jovens, movimentos, associações pessoas sem religião, crianças e adultos em busca de esperança”, testemunhou.
Chiara Lubich faleceu em 14 de março de 2008 em sua casa, aos 88 anos, na comuna italiana Rocca di Papa, província de Roma.
O início da causa ocorreu pouco mais de um ano após a apresentação do pedido formal ao Bispo de Frascati, feito em uma data significativa: 7 de dezembro de 2013, septuagésimo aniversário de fundação dos Focolares.
Fonte: Canção Nova.
Leia Mais ►

elebração homenageia Zilda Arns e dá o primeiro passo para beatificar a fundadora da Pastoral da Criança

O primeiro passo para a beatificação da médica e fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns Neumann, aconteceu no último sábado, 10, na Arena da Baixada, em Curitiba (PR). Cerca de 40 mil pessoas de todos os estados brasileiros estiveram presentes na celebração que marcou a entrega oficial da moção que solicita a abertura do processo de beatificação de Zilda Arns.
A moção é um documento que reúne assinaturas, com o objetivo de demonstrar o apoio da população a uma causa ou proposta. Neste caso, os fiéis apoiam o reconhecimento à fama de santidade e ao legado evangelizador e pastoral da doutora Zilda.
A celebração eucarística foi conduzida pelo presidente da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Raymundo Damasceno, e contou com a presença de mais de 20 bispos de vários municípios brasileiros e autoridades municipais e estaduais.
Beatificação
De acordo com Nelson Arns, coordenador nacional adjunto da Pastoral da Criança e filho de Zilda, o evento foi resultado de uma rede nacional de mobilização, que coletou assinaturas para a moção de apoio à beatificação. O documento com mais de 130 mil assinaturas foi entregue durante a celebração eucarística à arquidiocese de Curitiba e o próximo passo será o encaminhamento do processo completo para o Vaticano.
“O trabalho de minha mãe à frente da Pastoral foi marcado pelo altruísmo e isso permanece até hoje. As pessoas que integram a Pastoral buscam melhorar sua atuação junto às crianças e à sociedade, não pedem nada para si, mas pelos outros. O apoio à beatificação de uma pessoa que não era religiosa também chama a atenção para o fato de que todos os cristãos são chamados à santidade, e não apenas aqueles que seguem a vocação religiosa”, disse.
Para o arcebispo da Paraíba (PB) e membro do Conselho Diretor da Pastoral da Criança, dom Aldo Di Cillo Pagoto, responsável pelo anúncio de que a Igreja do Brasil daria início ao pedido de beatificação de Zilda, o reconhecimento da médica representaria a valorização do enorme legado deixado por ela. “Zilda dedicou-se à uma certa concepção de vida que precisa ser valorizada. Foi agregadora dos valores de defesa e promoção da vida de crianças e idosos. Seu trabalho tem um caráter sagrado, mas também político. Por isso pedimos reconhecimento para essa líder e benemérita”, declarou.
Biografia
Zilda Arns nasceu em 25 de agosto de 1934, em Forquilhinha, Santa Catarina (SC). Ela desenvolveu um importante trabalho social, reconhecido em todos o país. Fundou a Pastoral da Criança em 1983 e, mais tarde, a Pastoral da Pessoa Idosa. A médica pediatra e sanitarista ficou conhecida nacionalmente e em mais 21 países pelo trabalho de combate à mortalidade infantil e de proteção a gestantes e idosos, com a ajuda de um exército de mais de 200 mil voluntários.
A candidata à beata morreu no dia 12 de janeiro de 2010, durante o terremoto que devastou o Haiti, onde estava em missão humanitária, para introduzir a Pastoral da Criança no país.  
Zilda Arns encontrava-se em Porto Príncipe, em missão humanitária, para introduzir a Pastoral da Criança no país.
Foto do jornal O Tempo/  Fonte: CNBB
Leia Mais ►

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

BODAS DE PRATA

Nossa ação de graças a Deus pelos 25 anos de Vida Religiosa dos freis Franklin Diniz e José Nunes.


Leia Mais ►