Banner1

quarta-feira, 25 de março de 2015

Capela das Relíquias dos Capuchinhos

Cúria geral – 21 março 2015. Num clima de recolhimento e de oração o Cardeal Ângelo Amato, S.D.B., prefeito da Congregação das Causas dos Santos, com a participação da fraternidade da Cúria geral, com uma breve paraliturgia abençoou a Capela das Relíquias após a restauração da casa de Via Piemonte.
Cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação da Causa dos Santos
A Capela das Relíquias, organizada entre os anos 1950 – 60 por Frei Bernardino Romagnoli de Sena, Postulador geral de 1948 a 1987, encontrou um novo lugar no andar térreo da Cúria geral adjacente à Capela da Cúria. Respeitando a estrutura existente e as dimensões no novo espaço, a Capela das Relíquias conserva, além de todos os nossos santos e beatos, uma multidão de santos e beatos da Igreja, desde a antiguidade até os nossos dias. As últimas relíquias inseridas na austera e solene estrutura lígnea foram as da beata Teresa de Calcutá, de São João Paulo II e São João XXIII.
O Cardeal Amato, na sua breve palavra, recordou como os santos e beatos são a vitalidade de uma Ordem que na sua história imerge suas raízes para nutrir-se de fé, viver a esperança e agir no tempo com caridade. O Ministro geral. Frei Mauro Jöhri, agradeceu o Cardeal pela sua presença e desejou que na Ordem nunca falte a presença de irmãos que não somente convidem à santidade mas a vivam.
Leia Mais ►

SECRETARIA DA FORMAÇÃO INICIAL ANUNCIA: Curso para Formadores e Animadores Vocacionais



Leia Mais ►

PROJETO CULTURAL FREI DAMIÃO

Ensaio das Crianças e Adolescentes do Projeto Cultural Frei Damião, no Pina.








Leia Mais ►

FREI BERNARDINO RICCI COMPLETA 95 ANOS DE VIDA

No dia 24 de março foi a vez do nosso querido Frei Bernardino Ricci apagar as velinhas. Os frades do Convento São Félix, fraternidade onde ele reside, celebraram com alegria os 95 anos do religioso mais idoso de nossa Província Capuchinha do Nordeste. A comemoração foi durante o almoço festivo que a fraternidade preparou. Estavam presentes frades de outras fraternidades de nossa Província e também Dom Francisco Chimoio, OFMCap., Arcebispo de Maputo, Moçambique. 
















Leia Mais ►

sexta-feira, 13 de março de 2015

FRANCISCO RELEMBRA: "CONCLAVE FOI UMA SURPRESA PRA MIM"



Migrações e tráfico de drogas, reforma da Cúria e desafios do Sínodo sobre a Família foram os tópicos da entrevista concedida por Francisco à Televisão mexicana Televisa, publicada nesta sexta-feira, 13, segundo aniversário de Pontificado do Papa argentino. Mas o Papa também relembrou os momentos do conclave que o elegeu e sua amizade com o Cardeal Cláudio Hummes.

Guadalupe e a visita ao México
 A jornalista Valentina Alazraki foi recebida na sala da Casa Santa Marta dominada pela imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, de quem todo o continente latino-americano é devoto. “A Virgem é fonte de unidade cultural que conduz à santidade em meio a tanto pecado, tanta injustiça, tanta exploração e tanta morte”, disse o Papa, explicando a escolha deste local. A entrevista começou com a pergunta: “Por que não foi programada uma etapa no México quando fará a viagem, em setembro, aos EUA, para o Dia Mundial das Famílias?”.“Pensava em entrar nos EUA pela fronteira mexicana, mas passar por Ciudad Juarez ou Morelia sem visitar Nossa Senhora de Guadalupe deixaria os mexicanos muito frustrados. Além disso, o México não pode ser visto com pressa, ou de passagem; seria necessária pelo menos uma semana, mas prometo que farei esta viagem como o país merece”, respondeu o Pontífice.Problemas do México são semelhantes aos de outros paísesDepois de lembrar ser filho de imigrantes e tocar no drama dos refugiados na América Central e também no Mediterrâneo, Francisco chamou os católicos à sua responsabilidade junto aos últimos e, falando do problema do narcotráfico, disse que “aonde há pobreza e miséria, o crime encontra espaço”. Lembrou os 43 jovens massacrados por traficantes na região de Morelia, meses atrás e, como sempre com franqueza, criticou a incapacidade dos religiosos de envolver os leigos, por causa de um clericalismo excessivo.Questionado se gosta de ser Papa, ele riu e respondeu: “Me faz falta sair do Vaticano livremente, ir a uma pizzaria sem ser reconhecido...”, e lamentou que não terá muito tempo à disposição.Mais uma vez, admitiu ter a sensação de que o seu Pontificado será breve, de poucos anos, mas deixou uma brecha aberta: “posso estar enganado”. Em relação à possibilidade de “se aposentar” como o fazem os Bispos, o Papa disse não concordar, mas ressalvou que “a decisão de Bento XVI foi corajosa”.Um dos momentos mais informais do encontro foi o seu relato do início do conclave que o elegeu:“Os jornalistas diziam que eu era um ‘cabo eleitoral’, que indicaria alguém; e eu fiquei em paz. Começou a primeira votação, na terça-feira à noite, a segunda foi na quarta de manhã cedo e a terceira logo antes do almoço. As votações são um fenômeno interessante. Há sempre candidatos fortes, mas muitos não sabem em quem votar. Elegem-se seis ou sete nomes, que são os “votos-depósito”, provisórios. Eu tinha recebido alguns votos... (risos) ...Depois do almoço, algo aconteceu. Na refeição, notei alguns sinais, raros. Perguntaram como estava de saúde, estas coisas... e quanto voltamos à tarde, a partida estava decidida. Nas duas votações seguintes, tudo acabou. Para mim também foi uma surpresa. Na primeira votação, depois do almoço, quando vi que a situação era irreversível, estava ao meu lado – e quero contar porque isto é amizade – o Cardeal Hummes, que para mim é um ‘grande’. Com a sua idade, é o Presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia. E lá vai ele, de barco pelos rios, visitar as igrejas... Ele estava ao meu lado e já, na metade da primeira votação da tarde, me dizia: “Não se preocupe, é obra do Espírito Santo”. Eu achava graça. Depois, na segunda votação, quando os votos somaram dois terços, veio o aplauso – como em todos os conclaves – e a conta dos votos. Aí ele me beijou e disse: “Não se esqueça dos pobres”. Isso ficou rodando na minha cabeça e foi o que me levou à escolha do nome Francisco, depois”.JCENEWS/RV

Leia Mais ►

domingo, 22 de fevereiro de 2015

PARTICIPE!!!


Leia Mais ►

ENCONTRO DE ANIMADORES VOCACIONAIS

Ontem dia 21 e hoje dia 22, tivemos o Encontro com os Animadores Vocacionais, promovido pela Secretaria de Formação Inicial, para avaliar o andamento da pastoral vocacional e planejar as ações ao longo deste ano de 2015. O encontro foi coordenado pelos freis Jociel Gomes (Conselheiro da Formação Inicial) e Frei Tiago Santos (animador vocacional provincial) e teve lugar no Convento São Félix, em Recife.


Leia Mais ►

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Frei Francisco Barreto confere os Ministérios de Leitor e Acólito a Frei José Roberto de Holanda Júnior

No dia 19, p.p., as 7h, no Convento Nossa Senhora da Penha, em Recife-PE, aconteceu a celebração eucarística, onde o ministro provincial, Frei Francisco Barreto conferiu as ordens menores de acólito e leitor ao Frei José Roberto de Holanda Júnior. Estavam presentes além dos frades da Fraternidade a família do Frei José Roberto. Após a celebração, houve um delicioso café da manhã. Confira alguns registros desse bonito momento.

Participantes da Celebração

Fr. Janailson (Diácono), Fr. Francisco Barreto e Fr. Diniz Ferreira

Fr. Janailson Gomes (Diácono)

Conferência dos Ministérios

Ministério de Leitor

Ministério de Acólito

Preparação do altar

Elevação do Pão

Elevação do Cálice

Os pais e irmão de Fr. Roberto

Final da Celebração



Leia Mais ►

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Campanha da Fraternidade 2015

Por ocasião da abertura da Campanha da Fraternidade 2015, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), nesta Quarta-feira de Cinzas, 18, o papa Francisco enviou mensagem, na qual destaca que o tempo quaresmal é propício para a vivência dos sentimentos de fraternidade e cooperação.
No texto, o papa Francisco fala da importância da contribuição da Igreja no respeito à laicidade do Estado, sem esquecer a autonomia das realidades terrenas, conforme motiva a Doutrina Social, em vista do bem do ser humano. "Cada um deve fazer a sua parte, começando pela minha casa, no meu trabalho, junto das pessoas com que me relaciono. E de modo concreto, é preciso ajudar aqueles que são mais pobres e necessitados", disse Francisco.
Ao final da mensagem, o papa cita, ainda, o lema da CF 2015, "Eu vim para servir", recordando as palavras de Jesus. "Queridos irmãos e irmãs, quando Jesus nos diz 'Eu vim para servir', no ensina aquilo que resume a identidade do cristão: amar servindo. Por isso, faço votos que o caminho quaresmal deste ano, à luz das propostas da Campanha da Fraternidade, predisponha os corações para a vida nova que Cristo nos oferece, e que a força transformadora que brota da sua Ressurreição alcance a todos em sua dimensão pessoal, familiar, social e cultural e fortaleça em cada coração sentimentos de fraternidade e de viva cooperação. A todos e a cada um, pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida, envio de todo coração a Bênção Apostólica, pedindo que nunca deixem de rezar por mim", disse.
  Fonte: http://www.cnbb.org.br/
Leia Mais ►

Tempo da Quaresma!

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA A QUARESMA DE 2015 - « Fortalecei os vossos corações» (Tg 5,8)
Amados irmãos e irmãs!
Tempo de renovação para a Igreja, para as comunidades e para cada um dos fiéis, a Quaresma é  sobretudo um « tempo favorável » de graça (cf. 2  Cor6,2). Deus nada nos pede, que antes não no-lo  tenha dado: « Nós amamos, porque Ele nos amou  primeiro »  (1 Jo4,19). Ele não nos olha com indiferença; pelo contrário, tem a peito cada um de nós,  conhece-nos pelo nome, cuida de nós e vai à nossa  procura, quando O deixamos. Interessa-Se por cada  um de nós; o seu amor impede-Lhe de ficar indiferente perante aquilo que nos acontece. Coisa diversa se passa connosco! Quando estamos bem e comodamente instalados, esquecemo-nos certamente  dos outros (isto, Deus Pai nunca o faz!), não nos  interessam os seus problemas, nem as tribulações  e injustiças que sofrem; e, assim, o nosso coração  cai na indiferença: encontrando-me relativamente  bem e confortável, esqueço-me dos que não estão  bem! Hoje, esta atitude egoísta de indiferença atingiu uma dimensão mundial tal que podemos falar de uma globalização da indiferença. Trata-se de um  mal-estar que temos obrigação, como cristãos, de  enfrentar.
Quando o povo de Deus se converte ao seu  amor, encontra resposta para as questões que a história continuamente nos coloca. E um dos desafios  mais urgentes, sobre o qual me quero deter nesta  Mensagem, é o da globalização da indiferença. Dado que a indiferença para com o próximo e  para com Deus é uma tentação real também para  nós, cristãos, temos necessidade de ouvir, em cada  Quaresma, o brado dos profetas que levantam a voz  para nos despertar. A  Deus  não  Lhe  é  indiferente  o  mundo,  mas  ama-o  até  ao  ponto  de  entregar  o  seu  Filho  pela  salvação de todo o homem. Na encarnação, na vida  terrena, na morte e ressurreição do Filho de Deus,  abre-se definitivamente a porta entre Deus e o homem, entre o Céu e a terra. E a Igreja é como a mão  que mantém aberta esta porta, por meio da proclamação da Palavra, da celebração dos Sacramentos,  do testemunho da fé que se torna eficaz pelo amor  (cf. Gl 5,6).  O  mundo,  porém,  tende  a  fechar-se  em si mesmo e a fechar a referida porta através da  qual Deus entra no mundo e o mundo n’Ele. Sendo  assim, a mão, que é a Igreja, não deve jamais surpreender-se, se se vir rejeitada, esmagada e ferida. Por isso, o povo de Deus tem necessidade de  renovação, para não cair na indiferença nem se fechar em si mesmo. Tendo em vista esta renovação,  gostaria de vos propor três textos para a vossa meditação.
1. « Se um membro sofre, com ele sofrem todos os  membros » (1 Cor 12,26) – A Igreja. 
Com o seu ensinamento e sobretudo com o seu  testemunho, a Igreja oferece-nos o amor de Deus,  que rompe esta reclusão mortal em nós mesmos que  é a indiferença. Mas, só se pode testemunhar algo  que antes experimentámos. O cristão é aquele que  permite a Deus revesti-lo da sua bondade e misericórdia, revesti-lo de Cristo para se tornar, como Ele,  servo de Deus e dos homens. Bem no-lo recorda a liturgia de Quinta-feira Santa com o rito do lava-pés. Pedro não queria que Jesus lhe lavasse os pés, mas depois compreendeu que Jesus não pretendia apenas  exemplificar  como  devemos  lavar  os  pés  uns aos outros; este serviço, só o pode fazer quem,  primeiro, se deixou lavar os pés por Cristo. Só essa  pessoa « tem parte com Ele » (cf. Jo 13,8), podendo  assim servir o homem. A Quaresma é um tempo propício para nos deixarmos servir por Cristo e, deste modo, tornarmo-nos  como  Ele.  Verifica-se  isto  quando  ouvimos  a Palavra de Deus e recebemos os sacramentos,  nomeadamente a Eucaristia. Nesta, tornamo-nos naquilo que recebemos: o corpo de Cristo. Neste corpo, não encontra lugar a tal indiferença que,  com tanta frequência, parece apoderar-se dos nossos corações; porque, quem é de Cristo, pertence  a um único corpo e, n’Ele, um não olha com indiferença o outro. « Assim, se um membro sofre,  com ele sofrem todos os membros; se um membro  é  honrado,  todos  os  membros  participam  da  sua  alegria » (1 Cor12,26). A Igreja é communio sanctorum, não só porque,  nela, tomam parte os Santos mas também porque é  comunhão de coisas santas: o amor de Deus, que  nos foi revelado em Cristo, e todos os seus dons;  e, entre estes, há que incluir também a resposta de  quantos se deixam alcançar por tal amor. Nesta comunhão dos Santos e nesta participação nas coisas  santas, aquilo que cada um possui, não o reserva  só para si, mas tudo é para todos. E, dado que estamos interligados em Deus, podemos fazer algo  mesmo pelos que estão longe, por aqueles que não  poderíamos jamais, com as nossas simples forças,  alcançar: rezamos com eles e por eles a Deus, para  que todos nos abramos à sua obra de salvação.
2. « Onde está o teu irmão? »  (Gn 4,9)– As paróquias e as comunidades.
Tudo o que se disse a propósito da Igreja universal  é  necessário  agora  traduzi-lo  na  vida  das  paróquias e comunidades. Nestas realidades eclesiais, consegue-se porventura experimentar que  fazemos parte de um único corpo? Um corpo que,  simultaneamente, recebe e partilha aquilo que  Deus nos quer dar? Um corpo que conhece e cuida dos seus membros mais frágeis, pobres e pequeninos? Ou refugiamo-nos num amor universal  pronto a comprometer-se lá longe no mundo, mas  que esquece o Lázaro sentado à sua porta fechada (cf. Lc16,19-31)? Para receber e fazer frutificar plenamente aquilo que Deus nos dá, deve-se ultrapassar as fronteiras da Igreja visível em duas direcções. Em primeiro lugar, unindo-nos à Igreja do Céu  na oração. Quando a Igreja terrena reza, instaura--se reciprocamente uma comunhão de serviços e  bens que chega até à presença de Deus. Juntamente  com os Santos, que encontraram a sua plenitude em  Deus, fazemos parte daquela comunhão onde a indiferença é vencida pelo amor. A Igreja do Céu não  é triunfante, porque deixou para trás as tribulações  do mundo e usufrui sozinha do gozo eterno; antes  pelo contrário, pois aos Santos é concedido já contemplar e rejubilar com o facto de terem vencido  definitivamente a indiferença, a dureza de coração  e  o  ódio,  graças  à  morte  e  ressurreição  de  Jesus.  E, enquanto esta vitória do amor não impregnar  todo o mundo, os Santos caminham connosco, que  ainda somos peregrinos. Convicta de que a alegria  no Céu pela vitória do amor crucificado não é plena  enquanto houver, na terra, um só homem que sofre e  geme, escrevia Santa Teresa de Lisieux, doutora da  Igreja:  « Muito  espero  não  ficar  inactiva  no  Céu;  o meu desejo é continuar a trabalhar pela Igreja e pelas  almas »  (Carta 254, de 14 de Julho de 1897). Também nós participamos dos méritos e da alegria dos Santos e eles tomam parte na nossa luta e no  nosso desejo de paz e reconciliação. Para nós, a sua  alegria pela vitória de Cristo ressuscitado é origem de  força para superar tantas formas de indiferença e dureza de coração.
Em  segundo  lugar,  cada  comunidade  cristã  é  chamada a atravessar o limiar que a põe em relação  com a sociedade circundante, com os pobres e com os  incrédulos. A Igreja é, por sua natureza, missionária,  não fechada em si mesma, mas enviada a todos os  homens. Esta  missão  é  o  paciente  testemunho  d’Aquele  que quer conduzir ao Pai toda a realidade e todo o homem. A missão é aquilo que o amor não pode calar. A  Igreja segue Jesus Cristo pela estrada que a conduz a  cada homem, até aos confins da terra (cf.Act1,8). Assim podemos ver, no nosso próximo, o irmão e a irmã  pelos quais Cristo morreu e ressuscitou. Tudo aquilo  que recebemos, recebemo-lo também para eles. E, vice-versa, tudo o que estes irmãos possuem é um dom  para a Igreja e para a humanidade inteira.
Amados irmãos e irmãs, como desejo que os  lugares onde a Igreja se manifesta, particularmente as nossas paróquias e as nossas comunidades, se  tornem ilhas de misericórdia no meio do mar da indiferença!
3. « Fortalecei os vossos corações »  (Tg 5,8)– Cada um dos fiéis.
Também como indivíduos temos a tentação da  indiferença. Estamos saturados de notícias e imagens impressionantes que nos relatam o sofrimento  humano, sentindo ao mesmo tempo toda a nossa  incapacidade de intervir. Que fazer para não nos  deixarmos absorver por esta espiral de terror e impotência? Em primeiro lugar, podemos rezar na comunhão da Igreja terrena e celeste. Não subestimemos  a força da oração de muitos! A iniciativa 24 horas para o Senhor, que espero se celebre em toda  a Igreja – mesmo a nível diocesano – nos dias 13 e  14 de Março, pretende dar expressão a esta necessidade da oração. Em segundo lugar, podemos levar ajuda, com  gestos de caridade, tanto a quem vive próximo de  nós como a quem está longe, graças aos inúmeros  organismos caritativos da Igreja. A Quaresma é um tempo propício para mostrar este interesse pelo  outro, através de um sinal – mesmo pequeno, mas  concreto – da nossa participação na humanidade  que temos em comum.  E, em terceiro lugar, o sofrimento do próximo  constitui um apelo à conversão, porque a necessidade do irmão recorda-me a fragilidade da minha  vida, a minha dependência de Deus e dos irmãos.
Se humildemente pedirmos a graça de Deus e aceitarmos os limites das nossas possibilidades, então  confiaremos  nas  possibilidades  infinitas  que  tem  de reserva o amor de Deus. E poderemos resistir à  tentação diabólica que nos leva a crer que podemos  salvar-nos e salvar o mundo sozinhos. Para superar a indiferença e as nossas pretensões de omnipotência, gostaria de pedir a todos  para viverem este tempo de Quaresma como um  percurso de formação do coração, a que nos convidava Bento XVI (Carta enc. Deus caritas est, 31).  Ter  um  coração  misericordioso  não  significa  ter  um  coração  débil.  Quem  quer  ser  misericordioso  precisa de um coração forte, firme, fechado ao tentador mas aberto a Deus; um coração que se deixe  impregnar pelo Espírito e levar pelos caminhos do  amor que conduzem aos irmãos e irmãs; no fundo,  um coração pobre, isto é, que conhece as suas limitações e se gasta pelo outro. Por isso, amados irmãos e irmãs, nesta Quaresma desejo rezar convosco a Cristo: « Fac cor nostrum secundum cor tuum – Fazei o nosso coração  semelhante ao vosso » (Súplica das Ladainhas ao  Sagrado Coração de Jesus). Teremos assim um coração forte e misericordioso, vigilante e generoso,  que não se deixa fechar em si mesmo nem cai na  vertigem da globalização da indiferença.
Com estes votos, asseguro a minha oração por  cada crente e comunidade eclesial para que percorram, frutuosamente, o itinerário quaresmal,  enquanto, por minha vez, vos peço que  rezeis por  mim. Que o Senhor vos abençoe e Nossa Senhora  vos guarde!
Vaticano, Festa de São Francisco de Assis, 4 de  Outubro de 2014.
Fonte: http://pt.radiovaticana.va/
Leia Mais ►

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

ADMISSÃO AO 1º ANO DE POSTULADO - NATAL-RN

No último domingo dia 08 de fevereiro, as 10h, na celebração eucarística da Igreja do galo, Convento Santo Antonio, em Natal-RN, foram admitidos ao primeiro ano de postulado onze jovens dos estados de Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte. A saber: Cayke Hermeson do nascimento Silva (São José do Egito-PE); Diego Santos de Lima (São bento do Una-PE); Fábio Rodrigo dos Santos Hipólito (Maceió-AL); Ícaro Godoí Soares (Bom Conselho-PE; Jairon Celedino da Silva (São Caetano-PE); José Carlos Alves (Parelhas-RN); José iranildo Oliveira de Souza (Paulo Jacinto-AL); Kleydon Ancheswelton Freitas de brito e Silva (Natal-RN); Pedro Vitor Rodrigues Estima (Flores-PE); Rafael Pereira Florencio (Natal-RN); Ylamark Francisco dos Santos (Palmares-PE). A celebração foi presidida pelo frei Jociel Gomes, conselheiro da formação inicial e concelebrada pelo guardião do convento, frei João da Paz, pelo formador, frei Carlos Alexandre, pelo secretário provincial, frei Igor Campos e pelo ministro provincial da Província São Francisco das Chagas (CE/PI), frei Henrique Araújo. Após a homilia o frei Jociel Gomes, delegado do Ministro Provincial da PRONEB, acolheu os postulantes e os admitiu para esta experiencia em nossa circunscrição. Aos postulantes nossas boas vindas e votos de uma feliz caminhada.

Postulantes 2015 (1º ano)

Celebração Eucarística

Ylamark Francisco


Kleydon Ancheswelton

Postulantes


Postulantes

Frei Carlos


Bênção dos Taus

Entrega dos Taus

Apresentação dos Postulantes

Final da celebração

Postulantes e Formador

Frei Carlos, Frei Igor e Postulantes

  
Leia Mais ►